sábado, 18 de junho de 2011

Jericoacoara: Festival envolve comunidade na magia do cinema

As noites de Jericoacoara têm sido de muito cinema, com 50 curtas-metragens, de realizadores de 16 estados. A comunidade tem respondido ao convite do festival, lotando o circo onde acontecem as exibições todas as noites.

O cinema independente brasileiro e grandes nomes do audiovisual nacional estão se encontrando, em um dos mais belos cenários do litoral cearense. O 2º Festival de Jericoacoara - Cinema Digital está mobilizando a população de Jericoacoara, que durante o evento ganha a oportunidade de um contato diário com a magia do audiovisual.

Ao todo, 16 estados contam com representante no festival. Foram aceitas inscrições de filme concluídos a partir de junho de 2009 e sobre quaisquer temas, nos gêneros documentário, ficção, animação ou experimental.

Realizado pela Anhamum Produções e dirigido pelo cineasta, escritor e produtor cultural cearense Francis Vale, o festival tem por objetivo contribuir para dar visibilidade a novos valores da produção audiovisual, de forma descentralizada, propondo um olhar bem além dos grandes centros. Objetivo que se vê, no festival, concretizado na prática, com a grande presença de moradores de Jericoacoara, com destaque para mães e filhos, sempre lotando as sessões de exibição.

“Queremos mostrar a diversidade do novo cinema brasileiro, e as novas pessoas que estão fazendo esse cinema acontecer, nas suas cidades e comunidades, a cada dia”, afirma Francis. “A relação do festival com a comunidade é outro aspecto muito importante. Para contribuir com Jericoacoara, o festival acontece na baixa estação, ajudando a garantir maior movimentação na cidade nesse período”, complementa.

Na noite desta quinta-feira, 16, foi exibida a primeira parte do filme “Raízes do Brasil - Uma Cinebiografia de Sérgio Buarque de Holanda”, de Nelson Pereira dos Santos. “Trata-se de um filme ainda inédito para muita gente. A exibição marca a comemoração dos 75 anos do livro ‘Raízes do Brasil’ e dá suporte às discussões do Seminário do Festival, que acontece hoje e amanhã”, destaca Francis Vale.

Na manhã desta sexta-feira o seminário foi aberto com debate contando com a participação dos cineastas Sérgio Santeiro, professor da Universidade Federal Fluminense, e Zeca Ferreira, que foi assistente de direção de Nelson Pereira dos Santos nas filmagens de “Raízes do Brasil”.

Também será exibido o curta “Meu Cumpadi Zé Kéti”, de Nelson Pereira dos Santos, como homenagem especial aos 90 anos de nascimento do sambista. O festival conta ainda com uma Mostra Informativa de Cinema Ambiental, com exibição diária de filmes, às 18h, resgatando produções como “Ecologia”, de Leon Hirszman, o primeiro filme de temática ecológica realizado no Brasil, ainda na década de 60.

Cineastas e moradores

Para assegurar, na prática, a democratização da participação no evento, a produção do festival garante as despesas de transporte terrestre entre Fortaleza e Jericoacoara, alimentação e hospedagem para um representante de cada uma das 50 obras selecionadas. “A ideia é que as pessoas realmente possam conviver em Jericoacoara, participando efetivamente do festival, trocando ideias sobre cinema, participando dos debates e se aproximando do público”, reforça Francis Vale.

E é o que se vê, nos quatro cantos da vila em que moradores e visitantes se encontram pelas ruas de areia, trocando ideias nas pousadas, nos restaurantes, na praia e nos espaços do festival: o circo onde acontecem as exibições de filmes e o Centro de Artesanato onde são realizados os debates e o Seminário “Raízes do Brasil”. Oportunidade para contato direto com cineastas como Philipi Bandeira, diretor de “Espelho Nativo”, filme que abriu a programação do festival. Ou com grandes nomes homenageados pelo festival, como o eletricista Carlito Almeida, o cineasta Nirton Venâncio e o ex-jogador de futebol Afonsinho, que participará de debate sobre cinema e futebol.

Premiação

Ao longo do festival, os 50 filmes serão apreciados por um júri composto por cinco pessoas ligadas à área do audiovisual. As premiações em dinheiro, no valor de R$ 5 mil cada, serão destinadas às obras escolhidas pelo júri como as melhores em cada categoria: ficção, documentário, animação e experimental. Também receberá prêmio de R$ 5 mil a melhor produção dos estados Ceará, Piauí e Maranhão, em homenagem à chamada “Rota das Emoções”, que se inicia em Jericoacoara-CE, passa pelo Delta do Parnaíba-PI e se estende até os Lençóis Maranhenses.
O festival também destinará troféus aos vencedores dos quesitos: melhor filme, direção, roteiro, fotografia, trilha original e direção de arte. Além dos troféus para melhor ator e melhor atriz.

Filmes selecionados

Fonte: Jeri Digital

Nenhum comentário:

Postar um comentário