quarta-feira, 21 de setembro de 2011

IV Festival UFC de Cultura

Música, teatro e dança nas noites do IV Festival UFC de Cultura

Depois de um dia repleto de debates, oficinas, mini-cursos e exposições, o IV Festival UFC de Cultura – Caminos de Nuestra América promove, nas noites de 17 a 21 de outubro, uma eclética programação gratuita e aberta à comunidade de shows e espetáculos de teatro e dança. Ao todo, 13 atrações locais, regionais e internacionais subirão nos palcos da Concha Acústica, no Benfica, e do Campus do Pici para celebrar o ecletismo cultural das artes do continente latino-americano. Na sexta-feira (21), o pernambucano Alceu Valença encerrará o evento.

SEGUNDA-FEIRA – Quem abre a programação noturna do Festival, no dia 17 de outubro, a partir das 19h, na Concha Acústica, é o grupo veterano Tarancón. Formada por Emilio de Angeles, Jorge Miranda, Ademar Farinha, Moreno Overá, Lucia Nobre, Jonathan Andreoli e Natália Gularte, a banda deu início à sua trajetória no meio estudantil, ainda na década de 1970. É pioneiro, no Brasil, em misturar música brasileira e latino-americana. De lá para cá, já foram mais de 3.500 apresentações, na companhia de artistas bolivianos, chilenos, cubanos, paquistaneses, marroquinos, espanhóis, argentinos, turcos, nicaraguenses, paraguaios, peruanos e uruguaios. O público que comparecer ao show poderá conferir uma mescla de músicas brasileiras com andinas, xaxados com zamponhas, cumbias e pontos com apitos, rumbas com afoxés, chacareras com baião. 

Depois do Tarancón, quem sobe ao palco é a cantora Marina de la Riva, estreando em Fortaleza. Filha e neta de exilados cubanos que vieram para o Brasil em 1964, Marina apresentará, além de suas raízes e ritmos latino-americanos, sambas e releituras do carnaval nordestino. O público verá uma mistura de sambas, marchinhas e baiões brasileiros com habaneras, congas e afoxés cubanos. Estão no repertório da cantora releituras de “Aos Pés da Santa Cruz” (de Mariano Pinto e Zé da Zilda), “Adivinha o quê?” (de Lulu Santos) e de “Bloco do Prazer” (de Moraes Moreira e Fausto Nilo), acompanhadas de “Pedacito de Cielo”, do cantor, compositor e pianista cubano Frank Dominguez, e da inédita “Este Mal de Amor”, do também cubano José Antonio Castilho, que Marina descobriu em uma de suas viagens a Havana.

TERÇA-FEIRA – A noite de terça-feira (18) reserva à Concha Acústica, no Benfica, espetáculos de dança e teatro. A primeira a se apresentar é a goiana Quasar Cia de Dança, que traz a Fortaleza o espetáculo “Céu na Boca”. O diálogo entre a tranquilidade do paraíso almejado e a realidade que vivemos é o mote da apresentação, que promove inovações no estilo criado pelo coreógrafo Henrique Rodovalho. A curiosidade pelas leis físicas e teorias do universo foi o ponto de partida para a concepção deste 22º espetáculo da Quasar, cuja estreia aconteceu em 2009. Além disso, explosões estelares, buracos negros e movimentos gravitacionais, como explica Rodovalho, serviram como alegorias no processo inicial de criação. “Porque o que mais interessava era colocar este contexto na construção de uma narrativa maior”, conta. Com figurinos de Cássio Brasil, o espetáculo possui narrativa não-linear, onde são geradas ações, reações e relações impregnadas de ironia, desejo, frustração e humor. “Céu na Boca” transita entre a densidade e a leveza, pois “existe uma constatação de que os desencantos são parte da vida e que devemos tirar proveito disso”, revela Rodovalho, que também assina a iluminação e a cenografia da apresentação.

Logo após, a Cia de Invenções Artísticas, da Bahia, apresenta a peça “MPB – Mulher Popular Brasileira”. É um espetáculo musical inteligente, que reflete de maneira divertida sobre as músicas brasileiras cuja temática é a mulher. Canções conhecidas do grande público, como “Amélia”, “Emília”, “Rosa”, “A Rita” e “Beatriz”, são executadas ao vivo e servem de ponto de partida para o desenrolar de situações surpreendentes. Dirigido por João Lima, o espetáculo da Companhia, composta pelo músico e ator Deco Simões e pelas atrizes Iara Villaça e Karina de Faria, foi criado depois de nove meses de pesquisa coletiva. Completam a peça os atores/músicos Janaína Carvalho (escaleta), Tarsila Passos (teclado) e Gilmário Celso (percussão).

QUARTA-FEIRA – Dando início à programação de shows no Campus do Pici, a noite será aberta, às 19h, pelo primeiro grupo musical classificado através da Mostra de Bandas Universitárias do Festival, que terá etapa classificatória nos dias 6 e 7 de outubro. Em seguida, o grupo carioca e alagoano Fino Coletivo – considerada a banda revelação de 2007 pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) – sobe ao palco para mais um show em Fortaleza em 2011, mas desta vez gratuito e aberto a todos. Formada por Adriano Siri, Alvinho Cabral, Alvinho Lancellotti, Daniel Medeiros, Donatinho e Rodrigo Scofield, a banda já lançou dois álbuns – “Fino Coletivo” (2007) e “Copacabana” (2010) – e deve tocar músicas que perpassam a sua trajetória, como “Boa Hora”, “Hortelã”, “Batida de Trovão” e “Fidelidade”. Também estarão no repertório sucessos do samba-rock nacional, como “Swing de Campo Grande”, gravada originalmente pelos Novos Baianos.

Quem encerra a noite de quarta-feira é o grupo argentino Terraplen. Produzido pelo premiado músico e compositor Gustavo Santaolalla, vencedor do Oscar de Melhor Trilha Sonora Original pelos filmes Brokeback Mountain (2005) e Babel (2006), o Terraplen mistura folclore argentino com as novas tendências da música eletrônica. O resultado são canções de caráter vanguardista em meio a ritmos do cone sul, como bagualas, zambas, carnavalitos, milongas e vidalas, equilibrando instrumentos tradicionais e eletrônicos e promovendo o melhor da atual música autoral da Argentina.

QUINTA-FEIRA – Depois de mais uma apresentação, a partir das 19h, de banda universitária, no Campus do Pici, terá início o show da paulista Bruna Caram. Cantando pela primeira vez em Fortaleza, ela é mais uma integrante do time de artistas da nova geração da música popular brasileira que tem recebido elogios da crítica especializada. Formada em Educação Musical pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), Bruna apresentará o show de seu segundo álbum, “Feriado Pessoal”. O trabalho tem releituras de canções de sucesso do cancioneiro nacional – como “Quem Sabe Isso Quer Dizer Amor”, de Lô e Márcio Borges, gravada por Milton Nascimento no álbum “Pietá”, de 2003, e “Gatas Extraordinárias”, de Caetano Veloso – e músicas inéditas de compositores da nova MPB, a exemplo de “Nascer de Novo”, de Dani Black, filho de Tetê Espíndola.

Encerrando o quarto dia de Festival, o grupo carioca Pedro Luís e A Parede, eleito em 2011 como a melhor banda de pop/rock do País no 22º Prêmio da Música Brasileira, promete fazer muito gente cair no suingue. A PLAP, como o sexteto é conhecido, vai apresentar o repertório de seu mais recente DVD, “Navilouca Ao Vivo”, gravado há um ano no Circo Voador, tradicional casa de shows do boêmio bairro da Lapa, no Rio de Janeiro. Completando 15 anos de carreira, o grupo formado pelo músico e compositor Pedro Luís (voz, violão e guitarra) e pela “Parede” composta por C.A. Ferrari (bateria e percussão), Celso Alvim (bateria e percussão), Mário Moura (baixo), Sidon Silva (bateria e percussão) e Leonardo Saad (percussão) toca uma espécie de “brazilian batucada”, como batizou o percussionista Sidon no início da carreira da banda. Nada mais que a mistura de samba, suingue e rock que marca o estilo musical da PLAP em mais de uma década de trabalho pelos palcos brasileiros e estrangeiros.

SEXTA-FEIRA – Às 19h terá início o show do terceiro grupo classificado na Mostra de Bandas Universitárias do Festival. Logo em seguida, Fortaleza receberá, também pela primeira vez, um dos artistas mais representativos e premiados da nova geração da música brasileira, o paulistano Marcelo Jeneci. Ele apresentará o show de seu primeiro álbum, “Feito pra Acabar”, lançado em dezembro de 2010 e que vem colecionando boas críticas. “Felicidade”, deste disco, foi eleita a melhor música do ano pelo júri do Prêmio Multishow, realizado no último dia 6 de setembro. O trabalho de Jeneci é calcado em sua própria vivência musicial. Apesar de ter apenas um álbum com composições próprias, é instrumentista desde cedo. Hoje, aos 28 anos, tem no currículo mais de dez anos como músico acompanhante de variados nomes da música nacional, como Chico César. Entre seus parceiros de composição estão Arnaldo Antunes, Zélia Duncan e Vanessa da Mata.

E para encerrar a noite e a programação do Festival, o pernambucano Alceu Valença promete fazer mexer o público do Campus do Pici com repertório de grandes sucessos, como “La belle de jour”, “Tropicana” e “Anunciação”, que não devem ficar de fora da apresentação. Com 39 anos de carreira, Alceu garantiu seu espaço na história da música brasileira ao utilizar guitarra com baixo elétrico em arranjos para maracatus, cocos e repentes de viola. Anos mais tarde, surpreendeu ao lançar canções auxiliado por sintetizador eletrônico. Com mais de 30 álbuns lançados, seu mais recente é “Ciranda Mourisca”, de 2008, que o público também poderá conferir na sexta-feira. 

O FESTIVAL – Inspirado na Nuestra América de José Martí, pensador cubano, o tema do IV Festival UFC de Cultura põe em foco a identidade latino-americana: a heterogeneidade de países, com heranças culturais próprias que se unem na construção de uma só América, a Latina. Devido aos muitos aspectos que permeiam a miscigenação cultural de seu território, a busca pela integração latino-americana não é tarefa fácil. Com essa proposta, a programação do Festival trará expressões culturais, artísticas e estéticas dos vários países que compõem nosso continente, tendo ao centro os sentidos que fazem pulsar a vida do povo latino-americano e suscitando reflexões.

CARIRI – Depois de três edições em Fortaleza, o Festival UFC de Cultura se expande e acontece pela primeira vez no Campus do Cariri. De 25 a 27 de outubro de 2011, oficinas, shows, debates e apresentações culturais ocuparão os diversos espaços do prédio da UFC em Juazeiro do Norte. O evento contará na abertura com a apresentação de Orquestra de Rabecas do Cariri e se encerrará com o show do grupo Cabruêra, da Paraíba. Nos debates, os rumos da universidade pública e das grandes cidades entrarão em pauta. Oficinas de grafite prometem deixar seus vestígios pela estrutura do Campus, além de apresentações de grupos locais.

A programação completa do IV Festival UFC de Cultura estará, em breve, no site www.festivalufcdecultura.ufc.br. Novidades podem ser acompanhadas também pelo twitter @festivalUFC ou pela fanpage do evento no facebook (www.facebook.com/pages/Festival-UFC-de-Cultura/204167589645767).

O IV Festival UFC de Cultura é uma realização da Coordenadoria de Comunicação Social e Marketing Institucional da Universidade Federal do Ceará, em parceria com a Sociedade Cearense de Jornalismo Cientifico e Cultural (SCJCC). Conta com patrocínio do Banco do Nordeste e do Banco do Brasil. Tem apoio cultural do Governo do Estado, através da Secretaria da Cultura, Prefeitura Municipal de Fortaleza, Coelce, Assembleia Legislativa do Ceará, Câmara Municipal de Fortaleza, Serviço Social do Comércio (Sesc-CE), Centro de Treinamento e Desenvolvimento (Cetrede) e Fundação Cearense de Pesquisa e Cultura (FCPC). 

Fonte: Coordenação de Produção do IV Festival UFC de Cultura – (fone: 85 3366 7319) / Produção do IV Festival UFC de Cultura – Via de Comunicação e Cultura – (fone: 85 3262 7230 / e-mail: festivalufc@gmail.com)



Universidade Federal do Ceará - UFC
Coordenadoria de Comunicação Social e Marketing Institucional
(85) 3366.7331 / 3366.7332

Nenhum comentário:

Postar um comentário